Exploração de Angola em mapas antigos a partir de uma perspectiva europeia

A Dra. Thea Lautenschläger (bióloga e cientista com foco na biodiversidade e conhecimentos tradicionais em Angola) informou-me recentemente sobre um trabalho muito interessante do seu ambiente de trabalho na Universidade Técnica de Dresden (TU Dresden):

Angola in old maps: Exploring Angola through European maps

(Angola em mapas antigos: Explorando Angola através de mapas europeus).

Isto não só mapeia o desenvolvimento de Angola, como também ilustra importantes ligações históricas da sua época de origem. Acima de tudo, isto diz respeito ao papel do antigo Império do Congo e dos seus estados vassalos tributários. A selecção de mapas históricos do século XV ao século XX também mostra como a cartografia se desenvolveu. Além disso, a linguagem e terminologia utilizadas nos mapas reflectem as posições dos autores e dos destinatários dos mapas.

É impressionante que nos mapas mais antigos o termo “Etiópia” apareça repetidamente e seja colocado em diferentes partes de África, por exemplo, também no sudoeste. Isto indica um território desconhecido ou inexplorado: Na Grécia antiga, o nordeste de África era chamado “Etiópia/Etiópia”. Isto significava “terra do povo com os rostos queimados”. Assim, as pessoas de pele escura eram referidas por este termo. Se se chegasse a uma região anteriormente desconhecida, era também “Etiópia”, é claro. Consequentemente, estes termos desapareceram com a exploração do território em questão.


Texto em ingles:
https://www.rainergrajek.net/exploring-angola-in-old-maps-from-a-european-perspective/

Texto em alemão:
https://www.rainergrajek.de/erkundung-angolas-in-alten-karten-aus-europaeischer-sicht/

Última actualização em 2021-12-15

Este site usa cookies. Ao usar este site, você concorda com o uso de cookies. Mais informações sobre oAceitar